terça-feira, 30 de agosto de 2011

Falando de Amor - 8. SEM PRAZO DE VALIDADE

O AMOR nunca morre. I Coríntios 13.8
Deus tem colocado meu amor à prova. Só Ele mesmo sabe o que tenho passado aqui dentro, nesse coração que me deu. Pessoas que amo sendo levadas para longe de mim; pessoas cuja companhia eu não escolhi, mas minha alma faz questão delas de um jeito até mesmo estranho. Pessoas pelas quais tenho nutrido um amor construído de forma sôfrega, mas de quem não posso desistir. Jesus não desistiu de mim.
A medida do amor é amar sem medida. Victor Hugo

O Amor que permanece, que não acaba, que não se extingue, como está escrito em I Coríntios 13.8, está acima de qualquer desentendimento, de qualquer diálogo mal-acabado, de qualquer paranóia, de qualquer frustração que você possa ter com o outro. Independentemente do que o próximo possa fazer ou deixar de fazer por você, o amor encobre a multidão de erros e lança fora todo o medo (I João 4.18). E, de fato, por poder curar feridas de alma desse jeito, é mais forte do que a morte. 
Não nos acomodemos com que sabemos a respeito do Amor. Se o defendermos do mundo como a base preciosa e inabalável de nossas vidas, ele nunca esfriará. É a única dívida que sempre teremos, segundo o apóstolo Paulo:  
"A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.". Romanos 13.8
Então não pode ter fim. Porque Deus é eterno e é a fonte de todo Amor. E nunca deixará de amar os seus. Dando ou tirando, Ele o faz por Amor. Corrigindo ou aprovando, Ele o faz por Amor. Honrando ou ensinando, Ele o faz por Amor. Vivendo como homem, ou morrendo, mesmo sendo Deus, numa cruz, Ele o fez por Amor. Porque Ele é Amor.
E ressuscitou para que a nossa cidadania na Eternidade fosse estabelecida em sua glória, e alcançada através do Amor.
"... as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará". I Coríntios 13.8
O Amor permanecerá.
É palavra. É promessa. É o nosso destino.
Soli Deo Gloria.